Abrates homenageia primeira agrônoma no Paraná
05/02/2017

Elcy Sabóia Zappia, falecida em outubro, desbravou o setor de pesquisa em sementes

elcy saboia2

Considerada a primeira mulher a se graduar em Agronomia no estado, a egressa da Faculdade Federal de Agronomia de Curitiba (UFPR), Elcy Saboia Zappia, faleceu no dia 08 de outubro de 2012, aos 81 anos, em Ponta Grossa. A Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (ABRATES) destaca o trabalho da mulher que se dedicou ao desenvolvimento da pesquisa em sementes no Paraná.

Nascida em Antônio Olinto, Sul do Paraná, em 16 de outubro de 1930, a Dra. Elcy foi morar em Curitiba. Depois de formada, ela e o esposo Oswaldo viveram por quatro anos em Irati e em Mallet, no interior do Paraná. De volta à capital, há cerca de 50 anos, a Dra.Elcy foi integrada à equipe do Instituto de Biologia e Pesquisas Tecnológicas (IBPT), atual Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). Elcy liderou o grupo que implantou o Laboratório de Análises de Sementes do Instituto, em 1967. ?Elcy era a quem liderava a equipe, respondendo apenas ao Secretário da Agricultura do Estado do Paraná, José Theodoro Miró Guimarães?, lembra a Dra. Doroti Basaglia, pesquisadora do IBPT, hoje aposentada.

Elcy desenvolveu uma série de pesquisas voltadas ao aprimoramento da qualidade de sementes. Em 1981, quando o Laboratório foi transferido para a Empresa Paranaense de Classificação de Produtos (Claspar) - organização incorporada em 2012 pela Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) ? a Dra. Elcy se aposentou e começou a se dedicar às artes plásticas. ?Ela era uma pessoa muito criativa, o que se refletia em tudo o que ela fazia. O laboratório foi estabelecido com recursos escassos, espaço físico limitado, mas assim mesmo ela conseguiu montá-lo e estruturá-lo. Até que o movimento de sementes cresceu no Paraná ainda na década de 1970. Foi quando ela ajudou a estruturar junto ao Ministério da Agricultura e à Comissão de Sementes e Mudas a Comissão Estadual de Sementes e Mudas, o que colaborou muito para a fiscalização de sementes nas indústrias e cooperativas.?, revela a bióloga Doroti Basaglia.

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e a empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estavam se estruturando na época. Segundo a colaboradora do IBPT, os laboratórios eram fiscalizados pela CSM e o laboratório central no Paraná, sob a supervisão da Dra. Elcy, era a base para fiscalização e treinamento de analistas nas cooperativas e indústrias de sementes. ?Se hoje realizamos os cursos de tetrazólio, é porque a Dra Elcy teve a iniciativa. Foi ela quem desbravou o setor de sementes no Paraná. Sua prioridade era o laboratório?, complementa Doroti.

De acordo com o presidente da ABRATES, o pesquisador José de Barros França Neto, a Dra. Elcy foi uma importante líder na área de sementes no Paraná. ?Foi ela quem alavancou a primeira edição do Manual para teste de tetrazólio no Paraná, a partir de princípios dos testes de tetrazólio para a semente de soja, de minha autoria, publicado pela TECPAR em 1981. O manual surgiu de uma palestra apresentada durante o 1o. Ciclo de Treinamento em Tetrazólio, publicada também em 1981?, revelou França Neto.

Depois de sua aposentadoria, a Dra. Elcy foi morar em Ponta Grossa. Viúva de Oswaldo há pouco mais de dois anos, deixa três filhas e cinco netos.
labsementesIBPT

Laboratório de Análises de Sementes doInstituto de Biologia e Pesquisas Tecnológicas, implantado pela equipe de Elcy em 1967.

Dulce Mazer - Jornalista - MTb 8775/PR
ABRATES - Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes
Assessoria de Imprensa
(43) 3025 5120