Notícia

20 May
  • nenhum comentário
    Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto

Editora do JSS encerra atividades como pesquisadora da Embrapa/Epamig

Gilda Pizzolante de Pádua soma mais de 40 anos de intensa e importante contribuição para a pesquisa nacional

A pesquisadora da Embrapa/Epamig e editora do Journal of Seed Science (JSS), Gilda Pizzolante de Pádua encerrou suas atividades oficiais pela Embrapa, somando mais de 40 anos de carreira e uma intensa contribuição para a pesquisa de sementes. A pesquisadora segue contribuindo com o nosso JSS, mas não podíamos deixar de homenagear e contar um pouco da frutífera história que ela construiu neste tempo!

1.     Foram quantos anos de carreira? 
R: Foram 42 anos de carreira, sendo um ano na extensão rural e 41 anos dedicados à pesquisa agropecuária. Desses 41, dois anos na Embrapa e 39 anos na Embrapa à disposição da Epamig (Empresa Agropecuária de Minas Gerais), na unidade de Uberaba – MG. 

Inicialmente atuei na Emater-Rio me dedicando à cultura de Citrus. Ingressei na Embrapa como pesquisadora em 1979, no antigo Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos, hoje Embrapa Solos, onde fiquei até 1981. De 1981 até o momento, trabalhei na Embrapa ficando à disposição da Epamig, dedicando-me à pesquisa com as culturas de algodão e soja.


2.      Conte um pouco sobre a sua trajetória desde a formação e alguns fatos relevantes. 
Me formei em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras em 1977. Tive a oportunidade de ingressar na UNESP Jaboticabal para realizar o meu curso de Mestrado em Agronomia, concluído em 2000, onde trabalhei com vigor, tratamento e armazenamento de sementes de algodão. Fiz Doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (2006), com enfoque sobre a retenção de clorofila e os efeitos sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja. Com esses trabalhos, conseguimos estabelecer os principais fatores que determinam a expressão de sementes esverdeadas, bem como um limite máximo tolerado desse problema em lotes de sementes de soja.

Trabalhei na área de Análise, Fisiologia e Tecnologia de Sementes, atuando principalmente em pesquisas sobre armazenamento, controle de qualidade, qualidade fisiológica e vigor, com as espécies algodão, espécies forrageiras e soja.

De 1984 até o momento fui Responsável Técnica do Laboratório de Análise de Sementes da Epamig Oeste, em Uberaba – MG. De 2013 a 2020 fui Responsável Técnica, credenciada no RENASEM, para Produção de sementes no Campo Experimental Getúlio Vargas da Epamig Oeste.

Desde 2012 atuo como uma das Editoras da Revista Brasileira de Sementes, que a partir de 2013, passou a se chamar Journal of Seed Science (JSS), revista científica internacional da ABRATES.

Em todos estes anos, publiquei diversos artigos científicos na área de Ciência e Tecnologia de Sementes em periódicos indexados. Participei de eventos científicos de excelência nacional, como várias edições do Congresso Brasileiro de Sementes, do Congresso Brasileiro de Soja, das Reuniões de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil, Seminários e Workshops. Eventos internacionais como a Conference of ISSS, Seminario Panamericano de Semillas, ISTA Congress – Seed Symposium e ISTA Annual Meeting em diversos países, como Alemanha, Escócia, Estados Unidos, Estônia, França, Holanda e Uruguai.

4.      Como conheceu e quando começou a atuar na Abrates?
Conheci a Abrates durante o III Congresso Brasileiro de Sementes, em 1983 na cidade de Campinas. Comecei a atuar na Abrates como membro da Comissão Técnica Científica em 1993 e em diversos outros Congressos. Em 2013 recebi uma Placa de Prata da ABRATES, em reconhecimento pela internacionalização do Journal of Seed Science.

5.      O que deixa de mensagem para os que ficam na Abrates e para os que ficam trabalhando na pesquisa em sementes?
Agradeço a todos os caros colegas de profissão, da nossa querida ABRATES, pela oportunidade de troca de experiências, com ética e conhecimento, que muito me ajudaram a caminhar durante a minha carreira profissional.

 O desenvolvimento pessoal, a satisfação e o reconhecimento são as bases de se trabalhar em parceria com uma equipe tão especial. Aos que continuam trabalhando nesta relevante área da Ciência e Tecnologia de Sementes, deixo uma mensagem de dedicação e motivação para continuar contribuindo, cada vez mais, para o desenvolvimento da nossa pesquisa.

Meus sinceros agradecimentos a todos pela grande amizade, atenção, respeito e companhia. Continuaremos juntos nos nossos eventos da ABRATES. 

Um 2020 com muito sucesso e saúde para todos nós!

 

deixe seu comentário



Torne-se um associado

E integre uma importante rede de pesquisa e ciência

Associe-se

Inscreva-se agora e receba nossa newsletter