Notícia

03 Jun
  • nenhum comentário
    Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto

Uso de sementes piratas – um risco para a agricultura nacional

Os avanços genéticos - resultados de anos de pesquisas e testes - são levados ao campo diretamente pela semente

Os alertas sobre os riscos causados pelo uso de sementes piratas, especialmente nas grandes culturas, como a soja, são recorrentes. Segundo dados da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (ABRASS), estima-se que 30% de toda a semente de soja utilizada no país não esteja em conformidade legal. 

O número assusta e traz novamente para o centro do debate a importância de se valorizar a semente escolhida para a lavoura, especialmente em tempos de economia instável, quando qualquer prejuízo pode ser impactante na rentabilidade do agricultor. A ABRATES como Associação Científica de Profissionais em Ciência e Tecnologia de Sementes alerta para as perdas tecnológicas que essa prática representa para a agricultura nacional.

“Semente não é apenas um grão que germina. A semente tem características genéticas, físicas, fisiológicas e sanitárias que a distingue de um simples grão que tenha potencial de germinação, característica da semente pirata”, explica o presidente da ABRATES e pesquisador da Embrapa Soja, Francisco Krzyzanowski.

Os avanços genéticos - resultados de anos de pesquisas e testes - são levados ao campo diretamente pela semente, resultando em melhores produtos finais, ganho de produtividade e consequentemente, alimentos a preços competitivos. Benefícios que são interessantes não apenas aos agricultores, como para toda a sociedade.

“Um grão pirata não assegura que todos esses parâmetros de qualidade estejam presentes em sua plenitude. Portanto, o grande risco é do agricultor, que o adquire e sobre ele coloca todo seu investimento econômico para a produção da sua lavoura”, alerta o pesquisador.

Assim, a pirataria compromete negativamente a agricultura nacional, trazendo prejuízos que vão muito além da questão financeira. Segundo a ABRATES, a prática traz riscos concretos para toda a cadeia produtiva da agricultura em termos de potencial de produtividade da lavoura, disseminação de doenças transmitidas via semente e dispersão de sementes de plantas daninhas para áreas indenes. Outro ponto a ser observado é a qualidade de produto final, que pode não atender ao padrão de qualidade esperado de determinada cultivar devido a mistura varietal adventícia presente em lotes de sementes de origem desconhecida.

A semente pirata desestimula os programas de melhoramento genético da soja, quer seja oficial ou particular, pondo em risco a segurança nacional na produção de soja. Semente pirata não é economia e sim retrocesso tecnológico.

*Imagem do banner: ZITO, Roberto Kazuhiko / Embrapa Soja

 

deixe seu comentário

Edições
O que é ABRATES em Foco?

ABRATES Em Foco é uma publicação eletrônica dirigida aos nossos associados, colaboradores, parceiros, assistência técnica, produtores, estudantes, profissionais da indústria de sementes, pesquisadores, engenheiros agrônomos, lideranças, formadores de opinião e representantes da imprensa especializada, enfim, a todos aqueles que de alguma maneira fazem parte da rede brasileira de produção de sementes.

Os leitores recebem o ABRATES em Foco via e-mail e podem ler seu conteúdo no site da ABRATES.

Destinamos o ABRATES em Foco à publicação de conteúdo jornalístico, informações técnicas, notícias de interesse para a indústria de sementes, além de manter os associados atualizados quanto às ações institucionais da ABRATES.

A publicação também poderá auxiliar a divulgação dos avanços e pesquisas nas áreas de Ciência e Tecnologia, publicados no Journal of Seed Science, antiga Revista Brasileira de Sementes (RBS), e no Informativo ABRATES.

Os leitores encontram aqui um espaço para apresentar opiniões, enviar sugestões de pautas para matérias técnicas, novidades do setor, evoluções tecnológicas do segmento, entre outros assuntos.

Para contribuir, envie seu texto, sugestão ou crítica para abratesemfoco@abrates.org.br



Torne-se um associado

E integre uma importante rede de pesquisa e ciência

Associe-se

Inscreva-se agora e receba nossa newsletter